courtfool.info
O bobo da corte revela segredos
por tras dos acontecimentos mundiais
list of articles
StartListOfArticles

Os segredos por trás do dinheiro e dos bancos:

loan
Se você só se cadastrar aqui, vou dar-lhe um saldo de 1.000 euros e que jurem-me 1.000 euros acrescidos de juros.

O sistema bancário em resumo

exchanging
Com um pouquinho de dinheiro , os banqueiros podem pagar uns aos outros milhões...

Segredos do dinheiro, dos juros e da inflação

flag UK   Debit, credit, banco!

flag FR   Débit, crédit, banco!

Canadas National Debt
Os governos oferecem milhares de milhões de euros do nosso dinheiro de impostos para bancos privados...

flag UK   Canada: a tale of two monetary systems

flag FR   Canada: une histoire de deux systèmes monétaires


falling banknotes

new article

flag UK   Private banks or a bank of the government.

flag FR   Banques privées ou une banque du gouvernement.


Das dívidas de Estado à moeda de Estado

Fractional Reserve Bank

Crise bancária? Reforma!

Wall Street Bull

flag UK   Banking explained: The Derivative Scam


Segredos por trás da euro:

A loucura do euro

A loucura do euro

heavy euro

Sair do euro, e depois?

hungry euro

MEE, o novo ditador europeu!

YouTube: The new European dictator

courtfool TouTube key ESM robs the Treasuries in 3'51''

Quieto! Construímos a Europa!
Quieto! Construímos a Europa!

MEE, um golpe de estado em 17 países

Zeus rapes Europa

flag UK   Zeus rapes Europa

flag FR   Zeus viole Europa


flag UK   ESM: How the Goldman Vampire Squid Just Captured Europe

Killed soldiers

NATO resgata o euro na Líbia

Euromania

courtfool TouTube key EUROMANIA by Peter Vlemmix

Ascensao_e_queda_do_euro

Autores:
Rudo de Ruijter
Yannis Varoufakis
Costas Lapavitsas
James K. Galbraith
Gerard Dunénil
Michael Hudson
Ed Dolan
Jacques Nikonoff
Jean-Claude Paye
Eugénio Rosa
Jorge Figueiredo

Os segredos por trás da guerra no Iraque:

dollar bill

Custos, malfeitorias e perigos do dólar

Iraq Memorial

Iraq Memorial


Os segredos por trás da guerra no Afeganistão:

Pipelines_to_9_11 / WTC

Pipelines para o 11 de Setembro


Os segredos por trás das acusações contra o Irão:

Assalto ao mercado dos combustíveis nucleares

Assalto ao mercado dos combustíveis nucleares

Varrer Israel do mapa


Adeus ao crescimento!

World Energy And population
Perspectivas até 2100

flag UK   World Energy and Population

flag FR   Énergie et population mondiales

World_Energy_Imports_Exports

flag UK Energy crisis: Turning-point of humanity

flag FR Crise de l'énergie: Tournant de l’humanité


Factos e as mentiras sobre o clima:

The clockwork of the Earth and Sun

flag UK   The clockwork of the Earth and Sun

flag France   L'horloge de la terre et du soleil

The activity of the Sun

flag UK   The activity of the Sun

flag France   L'activité du soleil

CO2: scare, claims and fraud...

flag UK   CO2 scare, claims and fraud...

flag France   CO2, panique, affirmations et fraude...


Descobrir segredos:

Sleepwalking

flag UK   Wake up citizens?

flag FR   Réveiller les citoyens?


Segredos por trás de democracias

power to the people

flag UK   The road to democracy

flag France   La route vers la démocratie



Chicken_parliament

flag UK   The chicken-parliament

flag FR   Le parlement des poules



Oferta excepcional:

Confused perspectives

Ivan Boyadjhiev, Confused Perspectives, 40 x 50 cm Ivan Boyadjhiev
Confused Perspectives
40 x 50 cm
Click here...




Humor:

Draguignan
"Existem alternativas ao capitalismo"

Protesto em Draguignan

Cartoons

Cartoons

Treaties:


Treaty establishing the European Union (EU)

Treaty on the Functioning of the European Union (TFEU)

Amendment article 136 TFEU

First version of the Treaty establishing the European Stability Mechanism (ESM)(not ratified)

Treaty establishing the European Stability Mechanism (ESM)

Treaty on Stability, Coordination and Governance in the economic and monetary union (TSCG)

Vienna Convention on the Law of Treaties 1969

Quem publica os artigos do Bobo da Corte?
Mais de 500 sites?

Clique aqui!

StartPublishers



11 Septiembre 2001
24h Gold
321 Energy
Aardewerk.be
Academie-Gaullisme
Ad Broere
Advivo.com.br
Afghan.nl
Aftershock News (ru)
Albe.ru
Aldeilis
Alexander's Gas and Oil
Alex Constantine's 9/11 Truthmove
Alfa Kappa
Aljazeera Com
Aljazeera Info
Altea te quiero verde
Alter du Lot
Alter Info
Altra Informazione
American Chronicle
American Iranian Friendship Committee
Amsterdam Post
Anarchiel
Andalous.ma
Anonymous France
Anovis Anophelis
Antifascist Encyclopedia
Apocalypse Total
Apokalyps Nu
Apollo Solaris
Aquarius Age
Argusoog
Arianna Editrice.it
ArmonyaX
Articles du jour
Artikel 7 Nu
At-Park / АТ-парк
Atlas Vista Maroc
Au bout de la route
Avant de voter
Averdade vos libertara
Avicennesy
Avizora
A voz do povo
Baltimore Chronicle
Bankiv Tomske.ru
Banque publique .be
Beaujarret 50'z
Beez Libre Info
Before it is news
Belém Livre
Bernard Sady
Bezformata.ru
Biflatie.nl
Blogapares
Blog Chalouette
Blog Chatta.it
Blog économique et social
Blogg.org
Blog World-citizenship
Bobo in Paraguay
BOINNK!!!
BouBlog
Brasilianas.org
Brood en spelen
Bullion Management Group
Burbuja.info
Business-Gazeta.ru /
БИЗНЕС Online
Cafe 415
Candombeando
Cantv
Carla Noirci's Log
CASMII
Caveat emptor
CawAilleurs
CDU Arouca
Cenex.com.ua
CGT Santé 46
Chatta it
Chipstone
Chris Roubis
Chiado Editora
Club Invest
Cogito ergo sum
Collectif de Remises En Causes de Besançon
Come Don Chisciotte
Comité Valmy
Conscience Citoyenne Responsable
Contre-Info
Correio Progressista
Corriera della Notte
Cosenostrea casanostra
Counter Currents
Crash Debug fr
Crise Systémique Globale
Critical Trend (bg)
Criticamente
Cross-Cultural Understanding
Dagboek van een belegger
Daily Motion
Daily Times
Dandelion Salad
Dazibaoueb
Déborah 33 Epée
De Echte Denker
De Kelderlander
De Lange Mars
Démocratie réelle Nimes
De Waarheid Nu
Démocratie capitaliste
Démocratie Réelle à Nimes maintenant
Démocratie royale
Democratische Partij v Solidariteit
Denissto.eu
De Reaguurder
De Vrije Chroniqueurs
Dialogue & Démocratie Française
Diário Liberdade
Diatala.org
Digitale Stad Eindhoven
Dimensional Bliss
Dire Giovani
Dissident News
Dit kan niet waar zijn.eu
Diário de Notícias - Cartaz
Djamazz Centerblog
Docplayer.ru
Dolezite.sk
ДОТУ.org.ua / Dotu.org.ua
Double Standards
Dove sono le ragazze
Doy Cinco
Dreamdash
Dutch Amazing Nieuws
Dwarslezing
E.J. Bron
Earth Matters
Económico Fórum pt
Economics Kiev /
Мировая и рыночная
экономика
Статьи и книги

EC-planet
Eco-Humanisme Radical.org
Edelmetaal.Info
Educate Yourself
E-Foro Bolivia
Égalité & Réconciliation
Eindtijd in beeld
Élections Algérie
EliteTrader.ru / Элитный Трейдер
El Libre Pensador
Elkhadra
Eltimir / Елтимир
End the ECB
End US Militarism
天涯社区 /
(End of the world community)

Enrico Sabatino
Entrelector
Es.Sott.net
Etienne Chouard
EU Alert
Europe 2020
Europlouf
Eurostaete eu
Eva Anárion
Evolution de notre civilisation
Facebook
Fai te
FCCI
FDESOUCHE
Ferra Mula
Filosofia e Tecnologia
Fimdostempos.net
Finanza.com Blog
Finanza Online
Focus στην Οικονομία
Folha diferenciada
Forexaw
Fortune F. Desouche
Forum démocratique
Forum des Alternatives.org
Forum.for-ua.com
Forum Mondiale della Alternative
Four Winds
Francisco Trindade
François de Siebenthal
Free Minds
Freedom Bytes
French News Online
French Revolution
Fronte di Liberazione dai banchieri
FTU.su
Fugada YouTube Forum
Future Fast Forward
Gabriele van Doorn
Geen Flauwekul
Generaal Pardon
Geografia e Luta - Prof. Mazucheli
Geopolitica blog
George Orwell Werkgroep
Gest Credit
Gianfranco Vizzotto
Gino Salvi
Global Echo
Global Economic Intersection
Global Faultlines
Global Order
Global Research
Global Systemic Crisis
Golden Heart
Gorod.Tomsk.ru
Город.Томск
Goto 2012
Goudstaven-goudstukken
草根金融服务社 /
(Grassroots Financial Service)

Grioo
Guerre Libre Info.org
Henry Makow
Het echte nieuws.be
Het uur van de waarheid
Hidden Mysteries
Ho visto cose che voi umani
Holland 4 MPE
Ho visto cose che voi umani
Hubbert Peak
Huffington Post
Iceberg Finanza
Il nodo gordiano
Imperiya / Империя
Indebitati
Indymedia
Indymedia Portland
Info Guerilla
Infomare Per Resistere
Information Clearing House
Informazione in Rete
Infos différentes
Infowars Ireland
Institute of Evolutionary Economics
Instituto Reage Brasil
Intellezione
Intermarket & more
International Business Times
InvestGraf
Investors Hub
Iran Blog
Iran Daily
Iran File
IRIB Iran French Radio
Irish Public
Irish Timez
Irissan
Islam City
Isxys / ΙΣΧΥΣ
Ivan Mutov
Jean Marie Lebraud
Joomla
Joop.nl
Jornal Fraternizar
Jornalggn.com.br
Jose Joa Net
Josè Maria Salvador
Journal la Mée
Journal Milénio
Journaux de Guerre
Kanie Tistory
Klein Paradijs
Klepsudra
Kollinos
Komitet / Комитет
Kostarof
L'éveil 2012
L'Observatoire de l'Immo
La banlieu s'exprime
Lanet Kiev
Las razones de Aristófanes
LeaksFree.com
Le Banquier Garou
Le Blog d'Eva
Le Blog de Nicole
Legion 5-9
Legio Victrix
Le Lot en Action
Le Metropole Cafe
Le Monde du Sud
Le Partisan de Gauche
Le Post
Les Indignés
Les moutons enragés
Leugens
Lettre d'Informations Stratégiques Internationales
Liberamenteservo.it
Libertatum
L.I.E.S.I.
Lit Corner
L'Olandese volante
Luminária
Macua Blogs Moçambique
Magok Vagyunk
Manifeste pour un débat sur le libre échange
Mapeni School
Marianne2
Marista Urru
Market Oracle cn
Market Oracle co.uk
MasterNewMedia
Mathaba News
Maurício Porto
Max 1967
Maxi News
MBM Hautetfort
Mecano Blog
Melochi
Mens en Politiek
Mercato Libero News
Metropolis
Mga Diskurso ni Doy
Michel Collon Info
Middle East Online
Mondialisation Ca
Money Files
Mouvement Politique d'Éducation Populaire
Na Sombra.org
Nato nella tana
Natural Money
Nervyoko-bis
Newropeans Magazine
News Follow Up
Newzz in Ukrain
Niburu
Nieuw-Nederland
Nieuws-Flash
Norma Tarozzi
Nota.to-p.net / НОТАРИАТ
Notizie Libere
Notizie Silcea
Nous les dieux
Novusordoseclorum
NucNews
Nya Politiken
Ocastendo Blogs
Occupy Amsterdam
Occupy Network tv
Oil Crisis
Olo's Ramblings
Oko-planet.su / Око Планеты
Onderzoek 9/11
One Base.com
Ons geld
Ontdek Islam
Openbare Bank be
Os Bárbaros
Osservatorio Sovranità Nazionale
Osvaldo Bertolino
Our World / НАШ МИР
Oxygene.re
Pakistan News Service
Palestine - Solidarité
Panier de Crabes
Paper Blog fr
Paperless Korea
Paraguay Tistory
Partage dialoguer avec jean loup
Parti de Gauche 34
Partido Comunista Brasileiro
Patrice Mars
PCF Bassin
PCF Cap Corse
Peace by Truth
Peak Oil .pl
Pensare Liberi News
Pensioenblog
Perunica
Peter Pan's Paradijs
Philippe Vedovati
Pintxo
Planeta Caos
Planete Non Violence
Plein Overheid
Politics & Current Affairs
Portal Luis Nassif
Portland Independent Media Center
Post Jorion
Post Switch
Pragmatic Economist
Pravda / Правда
Primavera do 11
Project for the Old American Century
Prova Final
Puszta Igazság
Quo Fata Ferunt
Raise the Hammer
Ravage Digitaal
Rayven
Real Infos
Real Wealth Society
Recuperare Credit
Relapsing Fever
Resistance
ReRuBabs
Réseau International
Resistance 71
Résistance FR
Resistenze.org
Resistir Info
Resurs.by
Revolta Total Global
Robin Good
Rodon
Rol Club
Rue 89
Rus Nevod
Sahar TV Iran
Saura Plesio
Schoonoord Web
Seigneuriage Blogspot
Sempre Vigili!
Shem.se
Siddharth Varadarajan
Signoraggio.it
Silver and Gold Shop
Silver Bear Cafe
Sociale Databank Nederland
Sociale Driegeleding
Sociologias
SOS-crise
Sott.net
Soutenir l'Afghanistan
Spartacus.info
Spazio Forum
Spiegelbeeld
Spraakloos
Sprookje Nieuws
Stampa Libera
Star People
Stienster Blogspot
Studien von Zeitfragen
Stop de bankiers
Storyo.ru / Страницы истории
Suciologicus
Sustainocratie
Svobodnoslovo / Свободно слово
Tegen Onzin
Textos A Voz do Povo.pt
The Movement
The People's Forum
The Pragmatic Economist
The Voice of Wakker Holland
The Wild, Wild Left
Tijdgeest Magazine
Time For Change
Timotv
Toine van Bergen
TomskNet.ru / Город.Томск
To-p.biz
Top-débats.info
Tora Yeshua / תורה־ ישוע
Trademan.org
Transatlantic Information
Exchange System
Transition Town Breda
Transcom Se
Triplo II
Truth Spring
Truth Move 9/11
Tunisia Today
Uitpers
UKIP Hillingdon
Um Novo Despertar
Uruknet Info
Vemiplast
Verborgen Nieuws
Vermelho.org.br
Verontruste Moeders
Veterans for America
Video data bg
Viewzone Magazine
Vilag Helyzete Blogspot
Vilistia
Visionair.nl
Vision Démocrate.net
V-Kontakte.ru / Вконтакте
Voix dissonnantes
Volya.ariy.org
Voprosik / Вопросик
Voy Com
Vrijspreker
Vues du monde
Vyacheslav Burunov
ВячеславБурунов
Wake Up From Your Slumber
Wakkere Mensen
Wall Street Pit
Want to know .nl
War and Peace / война и мир
Waterput klassiek
We Are Change Holland
We Are Change Rennes
Welcome Back UZ
Werkgroep George Orwell
What really happened
Wij worden wakker
Wiki Strike
Wisdia Encyclopedia
Worldissue Blog bg
World Prout Assembly
Wroom.ru
YouTube
Yursodeistivie / Юрсодействие
ZakonVremeni.ru
ЗаконВремени
Zebuzzeo
Zé Povinho no século XXI
Znanie-Vlast.ru
БезФормата.ru

Since 2006 the sites here above have published one or more of the court fool's articles. Some seem to be out of reach today, either because these websites or pages do not exist anymore, or because of other causes. To compliment them, I have chosen to keep them in the list.
Rudo de Ruijter

Special thanks to:

Christine, Corinne, Francisco, Evelyne, Françoise, Gaël, Peter, Ingrid, Ivan, Krister, Jorge, Marie Carmen, Ruurd, Sabine, Lisa, Sarah, Valérie & Anonymous...

Agradecimentos por traduções:
StartTranslators

Alter Info
Carlo Pappalardo
Come Don Chisciotte
Ermanno di Miceli
Ivan Boyadjhiev
Jorge G-F
Lisa Youlountas
Jose Joaquin
Manuel Valente Lopes
Marcella Barbarino
Marie Carmen
Mary Beaudoin
Michel Ickx
Михаил
Natalia Lavale
Nicoletta Forcheri
Peter George
Resistir Info
Traducteur sans frontière
Valérie Courteau

StartJoinTranslators

Do you want to translate too? / Voulez-vous traduire aussi?

Translator
Informações pára nas barreiras de idiomas. Todas as traduções neste site foram feitas por voluntários. Normalmente, eles são levados em vários sites . Você fala mais línguas ? Ajude qualquer e traduzir um artigo. Agradecemos antecipadamente a sua contribuição em nome dos milhares de pessoas que , graças ao artigo irá ser capaz de ler a sua nova tradução . Please, contact / Veuillez s.v.p. contacter:
Rudo de Ruijter
courtfool@xs4all.nl

Decrease text size
Increase text size

 

Segredos do dinheiro, dos juros e da inflação

Por Rudo de Ruijter,
Investigador independente
Países Baixos

O dinheiro desempenha um grande papel nas nossas vidas. Também na sociedade, quase tudo é determinado pelo dinheiro. É estranho que apenas umas poucas pessoas conheçam os truques de malabarismo através dos quais se origina e desaparece o dinheiro. A maior parte das pessoas vêm que o dinheiro se vai tornando menos valioso com o tempo, mas não sabe que isto é causado, em primeiro lugar, pelo próprio sistema monetário. Também a eterna busca do crescimento económico e a sempre crescente pressão do trabalho nos países industrializados são provocados pelo sistema monetário. O dinheiro também pode servir para a opressão, como por exemplo nos países do Terceiro Mundo, ou ser motivo de guerras, como aquela contra o Iraque. Gostaria de fazer uma pequena excursão pelos seus bastidores? Bem vindo ao circo dos malabaristas do dinheiro!

Content:

  1. Fazer dinheiro
  2. Inflação permanente
  3. Bancos centrais precisam de inflação
  4. Caprichos do stock de dinheiro
  5. A guerra contra o Iraque
  6. A opressão do Terceiro Mundo
  7. A arma da China
  8. Inflação e crescimento económico
  9. Mais crescimento ou uma sociedade sustentável?

 

 

1. Fazer dinheiro

 

Troca, uma necessidade primária

Cada pessoa precisa de produtos e serviços de outras pessoas. Elas utilizam dinheiro para efectuar trocas umas com as outras. Naturalmente, seria lindo se o dinheiro proporcionasse um meio de troca honesto. Mas isto não é o caso. O dinheiro perde valor ao longo do tempo.

O dinheiro não pertence ao Estado

A maior parte das pessoas acredita que o dinheiro é criado pelo Estado. Contudo, grande parte dos governos tem pouco ou nada a dizer acerca da oferta monetária do seu país. Os banqueiros assumiram o comando deste poder. Eles transformaram este meio de troca num modo lucrativo de cobrar impostos à população com a recolha do juro. Banqueiros recolhem juros permanentemente sobre quase todo o dinheiro do mundo.

O dinheiro é criado pelos bancos comerciais

Os banqueiros agora têm, em todo o mundo, um sistema de dinheiro que está baseado na criação do dinheiro a partir do nada (ex nihilo). Quase todo o dinheiro nas contas bancárias é vento. Não há senão uma quantidade muito pequena de dinheiro verdadeiro em circulação. Como funciona isso?

O banqueiro é um contabilista

Cada vez que um banqueiro concede um empréstimo ele não está a fornecer dinheiro e sim um haver. O empréstimo não consiste em nada mais do que números na contabilidade do banqueiro. Suponhamos que queiras contrair um empréstimo junto ao teu banco, Banco A.Seco. De um lado o banqueiro inscreve que tu lhe deves 250.000 euros e do outro lado que ele te deve 250.000 euros. Tu os vês aparecerem na tua conta. Tu podes gastá-los. Comprar uma pequena casa? Sim, compremos uma pequena casa.

Suponhamos que entregues um cheque ao vendedor da casa. Este leva este cheque ao seu banco, o Banco Rougeschild. O banco quer então trocar este cheque no teu banco, contra dinheiro de verdade é claro. O Rougeschild sabe como o seu colega tirou os números do chapéu e não se contenta com vento.

Portanto, agora, o Banco A.Sec deve desembolsar dinheiro de verdade. Contudo, na prática, a maior parte do tempo isso não é necessário. É que o Banco Rougeschild também concede empréstimos continuamente. E uma parte destes empréstimos são gastos junto a clientes do Banco A.Seco. Portanto, o que se passa é que o Banco Rougeschild troca o seu crédito de 250.000 sobre o Banco A.Sec contra um crédito do Banco A.Sec sobre o Rougeschild.

exchanging

Tráfego dos pagamentos

Todo o tráfego dos pagamentos passa-se do mesmo modo. Se tu fazes um pagamento a alguém junto a um outro banco, é o teu banco que deve pagá-lo ao outro banco. Mas ainda no mesmo dia haverá pagamentos por clientes do outro banco a clientes do teu banco. Todos estes pagamentos interbancários são muito simplesmente compensados uns pelos outros.

Aquilo que os bancos finalmente pagam uns aos outros são as pequenas diferenças entre os pacotes de pagamentos que entram e que saem. Para facilitar estas transferências todos os bancos têm uma conta junto ao banco central. Os montantes nestas contas são considerados como dinheiro verdadeiro (pois, se quisessem, os bancos poderiam exigir a totalidade da soma em papel-moeda, uma vez que o banco central está autorizado a imprimi-lo).

No banco central há uma regra de que a cada noite todos os bancos devem ter um haver positivo na sua conta. Se um banqueiro está curto (porque pagou mais do que recebeu nesse dia), ele toma emprestado para essa noite junto a um colega (que então recebeu um pouco mais do que pagou). E quando os colegas não têm confiança entre si, como foi o caso aquando da crise bancária de 2008 e como é novamente o caso desde há alguns meses, então o banco pode tomar emprestado ao banco central por um quarto de percentagem a mais.

O carrossel de empréstimos

Os empréstimos têm um efeito encoberto. Quando o tomador gasta o dinheiro, o receptor deposita-lo-á no seu banco. Este banco, graças a este depósito, pode emitir novos empréstimos. Estes empréstimos também serão gastos e tornar-se-ão depósitos num banco a seguir. E assim por diante. Naturalmente, a cada novo nível um banco recolhe juros. É um vasto carrossel de criação de dinheiro, o qual inflaciona a quantidade total de dinheiro no país.

Se houvesse apenas um banco no país, rapidamente tornar-se-ia óbvio que este banco está a criar novo dinheiro continuamente através da emissão de empréstimos, e a recolher de volta como depósitos o dinheiro criado, emitindo novos empréstimos outra vez, a recolher de volta o dinheiro, e assim por diante.

Assim, o efeito do carrossel é que os bancos em conjunto criam mais empréstimos e recolhem mais juros o tempo todo. Isto inflaciona o stock de dinheiro muitas vezes. Mas será que nós, ou os bancos, ficamos mais ricos com isto?

Os bancos criam mais dinheiro, mas eles não criam magicamente mais bens para comprar. Quando as pessoas têm mais dinheiro, mas ainda há a mesma quantidade de coisas para comprar, os preços simplesmente ascenderão. Cada unidade de dinheiro torna-se menos valiosa. Isto é chamado inflação.

Assim, quando os bancos colocam mais dinheiro em circulação, o valor de cada unidade da moeda desce. E isto também é verdade para os juros que eles recolhem. Quanto eles emitem 10 vezes mais empréstimos e inflacionam o stock de moeda em 10 vezes, o juros que recolhem também valem 10 vezes menos.

A competição garante a inflação

A maior parte dos países tem apenas uma divisa oficial, mas múltiplos bancos comerciais a emitirem a moeda. E embora estes bancos em conjunto não fiquem muito mais ricos com o inflacionamento do stock de moeda, ainda assim ficam. A única razão para isto é a competição entre eles. Embora competição soe como coisa saudável, quando falamos acerca de empresas normais, a competição entre bancos significa emprestar tanto dinheiro quanto possível e assim maximizar a inflação.

Pois cada competição bancária é simplesmente uma batalha para recolher mais juros e aumentar a sua fatia de mercado e de lucros. O banco com o melhor resultado crescerá mais rapidamente do que os outros e, no longo prazo, será capaz de comer os seus competidores.

O fosso entre ricos e pobres

Nem todos podem tomar emprestado o dinheiro que quiserem. Ao emprestar dinheiro, os bancos exigem [garantias] colaterais que possam arrestar se o tomador falhar nos seus pagamentos. Pessoas que possuam suficiente garantia colateral podem obter empréstimos e investir facilmente. As grandes corporações pagam mesmo menos juros. A procura por garantias colaterais funciona como um alargamento contínuo do fosso entre ricos e pobres.

Para as sociedades, isto é um perigo permanente a assomar. Quando banco e não governos decidem acerca de empréstimos, os governos podem apenas tentar mascarar as rupturas sociais, mas não serão capazes de curá-las nem de impedi-las.

Empréstimos para investimento e consumo

Um efeito dos empréstimos que todos os tomadores conhecem demasiado bem é que o principal tem de ser pago de volta com juros. E empresário que toma emprestado para investimentos terá de gerar rendimento extra para pagar este juro. Empréstimos para investimento são não só uma vaca leiteira para os banqueiros como também contribuem para mais actividade económica. Tornar disponíveis empréstimos para investimentos seria um papel útil dos bancos para a sociedade.

Em contra partida, empréstimos para os gastos de consumo normalmente não contribuem para mais consumo. É verdade que, graças ao crédito ao consumidor, a compra de um artigo verifica-se mais cedo. Contudo, esta vantagem é compensada por um período mais longo de poder de comprar diminuído do consumidor. O consumidor deve não só ganhar o dinheiro para a sua compra como também para o juro. Portanto ele comprará menos bens de consumo com os seus salários. Quando o consumidor paga o juro ao banco, apenas uma parte deste dinheiro será destinada a salários de empregados do banco e apenas uma parte destes salários serão gastos em bens de consumo. Assim, o crédito a bens de consumo ao invés disso leva a uma diminuição das compras totais de bens de consumo.

Para onde vai o dinheiro?

Depois de o tomador ter gasto o dinheiro do seu empréstimo torna-se imprevisível quantos possuidores sucessivos utilizarão este dinheiro. Alguém pode adquirir o dinheiro emprestado através da venda de um carro ao seu tomador. O vendedor pode então pagar o dinheiro como salários. O receptor do salário pode então utilizar o dinheiro para pagar o arrendamento da sua casa. De facto, assim que o dinheiro entra no grande pátio de recreio das transacções entre pessoas, ele pode servir para todas as finalidades em que o utilizamos.

Durante o tempo de vida dos empréstimos, o dinheiro é transferido de banco para banco cada vez que os titulares da conta fazem pagamentos a titulares de conta em outros bancos. Para esta finalidade, o banco central mantém uma conta para cada banco e executa estas transferências.

Por vezes é mais prático utilizar papel moeda e moedas metálicas. No banco ou numa caixa automática multibanco alguém pode retirar dinheiro da sua conta. Quando ele é gasto, o receptor leva-lo-á para o seu banco, fará um depósito, e verá a quantia aparecer na sua conta. O dinheiro pode assumir a forma de cash ou números em contas bancárias. Para os pagamentos, não importa a forma que assuma.

Onde acaba o dinheiro?

O dinheiro acaba quando o tomar paga de volta ao banco o principal do empréstimo. Nesse momento o banco transfere dinheiro das contas de depósito dos tomadores para as suas contas de crédito. A conta de crédito mostrará que a dívida do tomador foi reduzida. O dinheiro entrou em existência pela colocação de números na conta do tomador e desvaneceu-se pela redução destes números.

O tomador do empréstimo também paga juros ao banco. Os juros não fazem parte do dinheiro que o banco creditou a este tomador. O tomador deve trabalhar e obtê-lo de outro dinheiro e circulação. (Por definição, este outro dinheiro faz parte do conjunto de todos os empréstimos por liquidar do país naquele momento.)

Assim, o tempo de vida do dinheiro finaliza quando os empréstimos finalizam. E se todos os empréstimos fossem reembolsados, não seria deixado qualquer dinheiro. Mas, por enquanto, há oceanos de dinheiro e sobre todo este dinheiro os bancos recolhem juros.

Não-banqueiros versus banqueiros

Na sociedade o dinheiro circula. O dinheiro chega a si quando produz ou faz coisas que os outros querem. O dinheiro afasta-se quando você compra coisas ou faz pessoas trabalharem para si. Finalmente você pode poupar algum dinheiro para mais tarde. Os banqueiros fazem isto de forma diferente. Eles simplesmente e permanentemente tomam algum dinheiro dos outros e gastam-no. Isto é baseado no princípio de que o dinheiro é deles, uma vez que foram eles que o criaram. Assim, os banqueiros consideram lógico terem direito a recolher a renda (rent). Na verdade, em alguns países este tributo é chamado "rente" (em inglês "interest"). E embora todos utilizem o dinheiro, o banco sempre cobra este tributo do primeiro utilizador, o tomador do empréstimo. Daqui a pouco veremos como os bancos fazem também os outros utilizadores pagarem.

Bancos não podem ser considerado como empresas comerciais comuns. Eles declararam-se proprietários de todo o dinheiro e fazem com a população paguem renda por ele.

Time-out

Quase todo o dinheiro é temporário. Empréstimos a finalizar têm de ser substituídos por novos empréstimos para manter o dinheiro em circulação. Os empréstimos começam em diferentes momentos e têm diferentes tempos de vida. Muitas vezes o tomador paga de volta uma parte do seu empréstimo a cada mês. Isto significa que cada quantia em circulação tem a sua própria data de maturidade ("time-out"), a qual é a data em que se prevê que o tomador o pague de volta.

A quantia total de dinheiro em circulação determina quanto dinheiro nós dispomos para as nossas transacções e, no longo prazo, estabelece o nível geral de preços dos produtos e serviços.

Transacções

Durante o seu tempo de vida o dinheiro é um meio para transacções. Uma transacção verifica-se quando duas partes consideram-na interessante. "A" considera o dinheiro que obtém mais interessante e "B" considera que o carro de segunda mão que está a comprar mais interessante. Verifica-se um intercâmbio. Agora "A" tem o dinheiro e "B" tem o carro e ambos sentem-se satisfeitos.

Transacções podem incluir um pagamento por valor acrescentado. Quando um padeiro faz pão, ele acrescenta o seu trabalho à farinha, leite e fermento. O trabalho que ele faz representa valor acrescentado. Quando vende o pão a transacção não é apenas uma troca de propriedade, mas inclui pagamento pelo valor acrescentado.

Por si própria, a quantia total das transacções num país não dá qualquer indicação acerca do valor acrescentado, nem acerca do valor dos bens e serviços produzidos num país.

 

2. Inflação permanente

US inflation 1940 1999

Imagem maior

A inflação dos preços faz-nos perder valor no dinheiro que detemos. Ela pode flutuar um bocado ao longo do tempo. Muitas teorias económicas apresentam explicações sobre as causas. Contudo, estas teorias explicam antes o aumento e reduções de preços entre produtos e serviços. Elas não explicam porque a inflação é permanente. A inflação permanente tem uma causa diferente. Vamos dar uma volta rápida através dos diferentes tipos de inflação. Mas, para começar, eliminaremos a confusão entre o Índice de Preços no Consumidor e inflação dos preços.

Índice de Preços no Consumidor e inflação dos preços

A inflação dos preços leva à insatisfação da população. É por isso que muitos países utilizam um Índice de Preços no Consumidor (IPC), o qual mostra números mais agradáveis. [1], [2], [3] Assim, quando políticos ou responsáveis utilizam a palavra "inflação" eles muitas vezes referem-se a mudanças no Índice de Preços no Consumidor.

O índice é baseado na comparação anual de preço de um cabaz de produtos que uma família "média" precisaria. O conteúdo do cabaz varia de país para país, assim como as regras para o cálculo do índice. Um país pode incluir o custo da alimentação, combustível e habitação; um outro pode deixar estes custos de fora. [4], [5] Alguns países publicam as categorias de produtos que incluem no cabaz [6] , mas os produtos exactos habitualmente permanecem secretos. No entanto, alguns gabinetes de estatística revelam alguns dos truques que utilizam para conseguir índices simpáticos. Exemplo: eles mudam o conteúdo do cabaz periodicamente. Produtos que aumentam demasiado de preço são retirados e substituídos por outros mais baratos. Ou, quando o preço de um produto permanece estável, mas a qualidade melhora, eles contam a melhoria da qualidade como uma redução de preço. Assim, para o computador no seu cabaz, o Dutch Central Bureau for Statistics (CBS) conta uma redução de preço de 64 por cento entre 1998 e 2003! E assim diminui o índice! [7]

Assim, o conteúdo do cabaz é ajustado periodicamente. A justificação é: "quando os preços ascendem, as famílias também ajustam as suas compras". E o que significa esta política para índice? Bem, desde que a família definida não pode gastar mais do que ganha, o aumento de preço do cabaz do índice é automaticamente limitado ao aumentos nos rendimentos. A família definida não pode pagar preços mais elevados.

A menos que indicado, neste artigo a expressão "inflação de preços" refere-se ao aumento real nos preços em todas as transacções e não apenas de algum IPC. E neste artigo "inflação" significa, em primeiro lugar, o aumento do stock monetário. Dentro em breve examinaremos melhor este assunto.

Teoria da inflação pelos custos (Cost-push theory)

A teoria da inflação pelos custos diz que os aumentos dos custos são responsáveis pela inflação dos preços, como salários mais altos, aumentos nos preços de matérias-primas importadas ou aumentos de impostos sobre o consumo. [8]

Teoria da inflação pela procura (Demand-pull theory)

A teoria da inflação pela procura diz que a inflação de preços surge quando a procura excede a oferta. [9] A procura acrescida pode ser provocada por actividades de exportação, reduções fiscais ou crescimento da oferta monetária. Flutuações na procura também podem ocorrer, quando consumidores poupam mais dinheiro e, após algum tempo, começam a gastá-lo outra vez.

Expectativas auto-cumpridas

As expectativas quanto à inflação de preços também afectam a inflação real de preços. Industriais e comerciantes geralmente têm listas de preços, as quais são válidas por seis meses ou um ano. Eles têm de incluir uma percentagem para a inflação esperada. Isto imediatamente aumenta os preços, e assim contribui para a inflação real. O mesmo se passa quanto aos banqueiros. Quando eles emitem empréstimos, prevêem que os juros a serem obtidos em retorno ao longo do tempo serão reduzidos pela inflação, de modo que calculam uma margem extra. O custos extra dos juros contribui para a inflação real.

Aumento do stock monetário

Se as inflações pela procura e pelos custos se verificassem sem expansão do stock monetário, alguns preços ascenderam e outros baixariam. Contudo, vemos antes que alguns preços sobem mais depressa do que outros, mas raramente os preços abaixam. Isto acontece porque, ao longo do tempo, o stock monetário aumenta cada vez mais com os empréstimos por liquidar (outstanding loans). Isto é chamado a inflação monetária.

Monetay inflation

Ela naturalmente afecta os preços nas transacções, mas nunca por igual. Praticamente, quando mais dinheiro fica disponível, este dinheiro extra cria espaço para aumentos de preço em cada transacção sucessiva. Podemos presumir que quando outros factores inflacionários estão em funcionamento em algum lugar, procura elevada por exemplo, o dinheiro extra levará ali a aumentos de preços extra.

A inflação monetária é a causa dos aumentos de preços gerais e permanente que percebemos no longo prazo. É a única inflação a levar em conta ao longo de anos e décadas.

Inflação, em primeiro lugar, refere-se ao inflacionamento do stock monetário. Isto conduz aos aumentos dos preços médios. Hoje também utilizamos a palavra "inflação" para o aumento dos preços. Mantenha em mente que quando o stock monetário cresce e, simultaneamente, a produtividade cresce, pode acontecer que os preços médios não aumentem ou aumentem menos rapidamente. O dinheiro disponível é disperso entre um grande número de produtos e serviços e isto ajuda a manter os preços baixos.

 

3. Bancos centrais precisam de inflação

Pode parecer que a inflação mantem-se naturalmente. Quando aumentam preços durante o tempo de vida de empréstimos, novos empréstimos devem financiar mais coisas caras e portanto têm de ser mais elevados. A qualquer momento a causa da inflação seria a própria inflação. Contudo, não é alguma espécie de "moto perpétuo" o responsável pela inflação e sim uma política clara e abertamente admitida dos banqueiros centrais. [10], [11] A inflação é uma componente do nosso sistema bancário.

Tal como exposto anteriormente, a competição entre bancos comerciais garante que eles emitirão a quantia máxima de empréstimos. Portanto, para inflação mais alta ou mais baixa o banco central precisa apenas aliviar ou endurecer a emissão de empréstimos.

O caminho melhor conhecido de os bancos centrais dirigirem a inflação é pela alteração das taxas de juro. Isto significa influenciar potencial tomadores de empréstimo. Nas palavras do Banco Central Holandês (Dutch Central Bank, DNB): "O juro actua como o pedal de aceleração e de travagem da economia. Com um aumento da taxa de juros, os preços diminuirão, ou pelo menos ascenderão menos rapidamente. Com uma diminuição da taxa de juros os preços ascenderão mais depressa". [12]

Um modo de explicar é que quando a taxa de juros se torna mais alta, as pessoas tomarão menos emprestado. E quando menos empréstimos finalizados são substituídos por novos empréstimos, haverá menos dinheiro no país. Ao longo do tempo, você pode comprar mais com cada unidade de moeda. Preços mais baixos. Mas repare no que o DNB acrescentou: "ou pelo menos menos rapidamente". Aqui o banco central não tem intenção de ver os preços mais baixos. Neste caso, aparentemente, ainda se permite que o stock monetário cresça, mas apenas um pouco mais devagar.

Quando o banco central reduz a taxa de juros, a razão é clara: permitir mais empréstimos e permitir que a velocidade de crescimento do stock de moeda aumente. Naturalmente, as taxas de juros também actuam sobre as poupanças. Quando o juro sobre as poupanças é baixo, mais pessoas preferirão gastar o seu dinheiro.


Os bancos centrais não podem dirigir a inflação sobre preços específicos, como os preços do pão, de bicicletas ou de máquinas. Ao invés disso eles dirigem a inflação monetária, o aumento do volume total de empréstimos. O dinheiro extra nunca se dissemina por igual através da economia. Ele ao contrário aumenta os efeitos de outros factores, como elevar os custos ou elevar a procura.

Quando a economia não pode mais absorver a inflação e o dinheiro não se espalha suficientemente, ocorrem bolha. Então, massas cada vez maiores de dinheiro circulam por exemplo nos mercados de acções ou no mercado imobiliário, onde se ganha dinheiro ao forçar o aumento de preços. As empresas também são cada vez mais compradas e vendidas, como se elas fossem brinquedos financeiros.

Embora os bancos centrais admitam que a inflação é parte da sua política, eles de preferência avançam com razões económicas. Elas parecem plausíveis a maior parte das vezes e são enriquecidas com comentários de economistas e jornalistas. Contudo, a maior parte deles esquece, em primeiro lugar, que os bancos centrais precisam de inflação para si próprios.

Inflação: Os bancos centrais precisam de rendimento

Os bancos centrais obtiveram o poder de controlar o volume do stock monetário, ajustar inflação e juro, e ditar as regras para as instituições financeiras. Com este poder podem influenciar a economia. Eles obtiveram leis para reter este poder. Se dependessem de outros para o seu rendimento, o seu poder poderia desgastar-se rapidamente outra vez. Isto acontece porque eles arrecadam o seu próprio rendimento. [14], [15]

Os bancos centrais obtêm o seu rendimento de operações monetárias. Uma fonte muito lucrativa de rendimento é tomar emprestado quando o juro é baixo e emprestar quando é alto. Nas operações monetárias o objectivo é como se segue. Quando os juros nos bancos comerciais reduzem-se demasiado (procura baixa), o banco central empresta grandes volumes de dinheiro dos bancos. Desta forma haverá menos dinheiro deixado em circulação. Portanto, a procura por empréstimos aumentará outra vez e os juros nos bancos comerciais subirão novamente. Em outros tempos, quando os juros nos bancos comerciais ficavam demasiado altos, o banco central emprestava dinheiro aos bancos, de modo a que eles pudessem fornecer mais empréstimos aos seus clientes e finalmente os juros baixassem outra vez. [16] Quanto maiores as diferenças nos juros entre a tomada e a concessão de empréstimos, mais elevados serão os benefícios para o banco central.

Para conseguir rendimento destas operações, a inflação é essencial. Sem inflação, as taxas de juro permaneceriam baixas. [17] Nesse caso dificilmente haveria qualquer diferença entre juros altos e baixos. Relacionado com este comércio, os bancos centrais também expandem os seus balanços. Eles compram mais títulos (emprestam mais dinheiro) do que vendem.

Muitos bancos centrais dizem que querem manter a inflação em torno dos 2 por cento. O que querem significar com isto é um aumento de 2 por cento no Índice de Preços no Consumidor do seu país [11], não a inflação real do stock de moeda, a qual normalmente é um bocado mais alta. [3]

Inflação: faz a população pagar pela utilização do dinheiro

A inflação é não só uma necessidade para o rendimento dos bancos centrais como também um meio de exercer poder sobre os utilizadores da moeda. Através da inflação monetária a população paga – mesmo contra a sua vontade – pela utilização da moeda. Os bancos recolhem juros dos tomadores de empréstimos. Por este meio apenas os tomadores dos empréstimos parecem pagar pela moeda criada. Mas vamos ver como isto funciona quando há inflação.

Através da inflação, o tomador do empréstimo tem a vantagem de que os seus pagamentos ao banco representam menos valor à medida que passa o tempo. Tais pagamentos referem-se aos juros e ao retorno do principal. Os juros constituem rendimento para o banco. Podemos estar certos de que o banco previu a inflação e cobrou um pouco mais de juros adiantadamente. Assim, para os juros, a inflação não proporciona uma vantagem ao tomador do empréstimo. Contudo, para o principal isto é diferente. O banco apenas necessita da sua quantia nominal para ser reembolsado pois, com o reembolso, apenas os números teclados, com os quais começou o empréstimo, têm de ser reduzidos a zero. A desvalorização das quantias a reembolsar pelo principal certamente é uma vantagem para o tomador do empréstimo.

A vantagem do tomador do empréstimo nos pagamentos do principal pode ser calculada separadamente para cada prestação. E quando também calculamos a inflação suportada pelos utilizadores seguintes do dinheiro criado por este empréstimo, os totais parecerão serem aproximadamente os mesmos.

Total transactions with 'money' from loan

Imagem maior

Neste exemplo a linha vermelha mostra a quantia total das transacções efectuadas com o dinheiro do empréstimo durante o tempo de vida do principal. A perda de valor da inflação é dissimulada nas 60 transacções. Quando a inflação é de 2 por cento, esta é em média 0,167% por transacção. A perda de valor para os utilizadores do dinheiro equivale à vantagem para o tomador.

Dito de forma simples, se os tomadores tiverem de pagar 6 por cento de juros (sobre o principal) e tem a vantagem de 2 por cento da inflação (sobre o principal), a sua vantagem equivale a 2/6 dos juros. [18] Os utilizadores do dinheiro perdem uma quantia igual com a inflação. Os bancos não perdem. Eles previram a inflação e cobraram um pouco mais de juros adiantadamente.

Do que foi acima dito algumas pessoas poderão ser tendadas a concluir que tomar emprestado é vantajoso, uma vez que uma parte do fardo dos juros é retirada dos ombros do tomador do empréstimo e transferida para os utilizadores deo dinheiro. Mas não é isso o que acontece. O tomador do empréstimo paga juros, os quais incluem a inflaçao prevista. Ele arca com o risco de que o seu rendimento não acompanhe suficientemente a inflação, ou de que a inflação se torne menor ddo que o esperado.

Por outras palavras, isto é o que faz a política de inflação dos banqueiros centrais: comuta uma parte do fardo dos juros dos tomadores dos empréstimos para os utilizadores. Deste modo os utilizadores pagam juros pelo uso do dinheiro!

A "massa de dinheiro" deve crescer

O risco clássico para o banqueiro é que os tomadores de empréstimos não reembolsem senão parcialmente, ou não reembolsem de todo. E quando a hipoteca é insuficiente, é ele que fica com aborrecimentos na sua contabilidade, ou seja, com montantes que deverá cedo ou tarde registar como perdas.

Para diminuir o risco de incumprimentos de pagamentos os bancos fazem com que haja cada vez mais empréstimos em curso. Pois quanto mais "dinheiro" chega à circulação, menos ele vale. O montante que o tomador do empréstimo deve reembolsar está fixado. E como este montante diminui em valor durante o período do crédito, o tomador pode ganhá-lo mais facilmente. Assim, o número de incumprimentos de pagamentos é reduzido consideravelmente.


Manipulando inflação e juros


Com a autoridade de estabelecer inflação e juros os banqueiros centrais têm o poder. Eles podem fazer-nos poupar mais, investir mais, consumir mais, especular mais e sempre trabalhar mais arduamente.

Como mostrado acima, a inflação é juro que os utilizadores de dinheiro têm de pagar. A inflação pressiona a população a trabalhar mais arduamente e a competir para obter algum do dinheiro extra colocado em circulação e compensar a perda de valor do dinheiro que detêm.

A inflação também pressiona as pessoas a não manterem dinheiro nos seus bolsos ou sob os seus colchões, mas a gastá-lo ou levá-lo aos bancos para obter algum juro. Deste modo, a maior parte do dinheiro permanece disponível para os bancos.

Quando o juro for alto, as pessoas pouparão mais. Quando for baixo, as pessoas preferirão gastar, tomar emprestado e investir.

O que consideramos interessante fazer um momento particular depende em grande medida daquilo que o banco central quer que façamos.

4. Caprichos do stock monetário

 Como mencionado acima, o stock de moeda que a sociedade dispõe é a quantia total dos empréstimos por liquidar. Em si mesmo isto é muito estranho. Pois o que deveria ser a relação entre os empréstimos por liquidar e a necessidade de dinheiro na sociedade? O que terá a ver a necessidade dos tomadores de empréstimos e a sua capacidade de reembolsar com a necessidade de dinheiro do resto da sociedade? Se você comprar uma casa amanhã e, com o seu empréstimo, trouxer à existência dinheiro para vinte anos, o que nada tem a ver com as necessidades da economia em dez ou quinze anos, por que isso importa?

De facto, a sociedade desfaz-se de um arriscado stock monetário, ocasionado pelos empréstimos emitidos no passado, e da parte que ainda tem de ser reembolsada. A cada dia partes são reembolsadas e novos empréstimos são contraídos. Devido ao volume gigantesco do stock monetário a população dificilmente percebe as variações. Em teoria, os bancos centrais poderiam centralizar toda a inflação acerca dos empréstimos por liquidar e saber exactamente quanto dinheiro será deixado dos empréstimos amanhã, dali a dois dias ou dali a dez dias. Contudo, como mencionado acima, esta não é a pollítica dos bancos centrais. Eles apenas fazem o stock de dinheiro crescer.

Há teorias que dizem que sem inflação a economia não poderia ser pilotada. Um dos argumentos chave é que, quando o stock monetário não aumenta os salários não podem ser rebaixados quando necessário devido a uma adversidade económica. "Os salários pagos teriam de ser reduzidos e os empregados nunca aceitariam isso". E "quando o stock de moeda aumenta os cortes nos salários podem ser escondidos deixando que os salários aumentem menos rapidamente do que a inflação". Assim, entendem os proponentes destas teorias, aquela inflação é o trapacear do povo e, argumentam, não pode ser de outra forma. Mas a sua teoria não é verdadeira. Pois, com um stock monetário estável, alguns preços ascenderiam enquanto outros reduzir-se-iam. A aceitação do povo de variação nos salários seria muito diferente da situação de hoje, em que, desde há décadas, os preços apenas ascendem. Além disso, com um stock de moeda estável, é mesmo possível manter os salários pagos estáveis durante uma adversidade económica se durante a prosperidade económica o rendimento extra for formado por participações em lucros e reduções fiscais.

O sistema monetário de hoje não começou de uma quantidade de moeda que fosse ajustada às necessidades da economia. O sistema de hoje apenas garante que os bancos recolham juros sobre todo o dinheiro existente, que a competição entre eles provoque a máxima inflação monetária e que os bancos centrais assegurem o seu rendimento e poder. O estímulo da economia consiste de simplesmente de um pouco mais ou um pouco menos de juro e inflação. Pois o resto da economia deve lidar com o dinheiro que acontece estar ali num momento particular.

 

5. A guerra contra o Iraque

O dinheiro é expresso em divisas. Cada país tem uma divisa oficial. Nos EUA é o dólar. O dólar também é um bocado utilizado fora dos EUA. Desde 1973 a quantidade de dólares fora dos EUA aumenta cada vez mais rapidamente. Metade das suas importações são pagas com dólares, pelos quais os EUA nada entregam em retorno. Aqueles dólares permanecem no exterior indefinidamente. Deste modo os EUA compram a cada minuto 1,25 milhão de dólares de bens e serviços de outros países, pelos quais os outros países nada obtém em retorno. As quantias são simplesmente acrescentadas à dívida externa. Esta dívida é tão alta agora que os EUA não podem resgatá-la mais. Assim, os EUA estão em bancarrota. Uma das principais razões porque todo o mundo ainda quer dólares é porque quase todo o gás e petróleo no globo tem de ser pago em dólares. Deste modo, os EUA também têm a vantagem de que podem sempre dispor livremente destas reservas de gás e petróleo. Pois os EUA podem sempre criar tantos dólares quanto quiserem para pagar pelas mesmas. Assim, para manter a procura mundial por dólares e dispor livremente das reservas de gás e petróleo, os EUA tentam garantir que os países da OPEP continuem a vender o seu petróleo em dólares. Contudo, o Iraque, que dispõe das segundas maiores reservas de petróleo do mundo, comutou para o Euro em 6 de Novembro de 2000. [19] Embora os EUA procurassem durante muitos anos um meio de restabelecer a sua influência no Iraque, a guerra tornou-se inevitável por causa desta comutação para o Euro. O dólar afundou em toda a parte e em Julho de 2002 a situação tornou-se tão séria que o FMI advertiu que o dólar poderia entrar em colapso. [20] Uns poucos dias mais tarde os planos para um ataque foram discutidos na Downing Street. [21] Um mês depois Cheney proclamou estar seguro de que o Iraque tinha armas de destruição em massa. [22] Com este pretexto os EUA invadiram o Iraque em 19 de Março de 2003. Os EUA restabeleceram o comércio de petróleo em dólares a 5 de Junho de 2003. [23] Assim, agora, pelo menos financeiramente, os EUA dispõem livremente das reservas de petróleo iraquianas outra vez. (E enquanto jornalistas em Bagdad jornalistas relatam acerca da guerra, em Bassorá o petróleo é exportado em dólares). A partir da Primavera de 2003 o Irão também comutou para o Euro e desde 8 de Junho de 2006 a Rússia vende o seu gás e petróleo em rublos. (Pode ler mais explicações e pormenores em "Custos, malfeitorias e perigos do dólar". [24] Nota: por trás do conflito dos EUA com o Irão há mais do que um conflito de divisas. Nos bastidores também está a formação de um cartel no mercado mundial de combustível nuclear. Pode ler mais acerca disto em "Raid on nuclear fuel market"[25]).

 

6. Opressão de países do Terceiro Mundo

A vantagem das importações gratuitas (1,25 milhão de dólares por minuto) só se aplica quando os dólares ficam no exterior permanentemente. Se outros países os utilizassem para comprar bens e serviços dos EUA, então não haveria vantagem. Mas desde há 30 anos os EUA importam mais do que exportam. Como mais ninguém, eles dominam a arte de manter os dólares no exterior.

Exemplo: o Banco Mundial e os FMI fornecem empréstimos em dólares a países do Terceiro Mundo desde a década de 1960. A política é fornecer tantos empréstimos quanto possível, de modo que estes países nunca serão capazes de reembolsá-los. [26] Deste modo eles ficam eternamente enterrados em empréstimos e encargos de juros crescentes. Assim, a chamada "ajuda" a países em desenvolvimento é nada mais do que opressão. E o trombeteado alívio da dívida por parte dos países industrializados dificilmente chega a 1 por cento. [27]

 

7. A arma da China

O governo chinês não quer livre comércio com dólares dentro do seu país. Os dólares ganhos pelos exportadores chineses são trocados contra moeda local pelo Banco Central Chinês. O Banco Central Chinês tem um enorme stock de dólares. Em Março de 2007 cerca de 1 milhão de milhões de dólares. [28] Isto constitui de facto uma arma bastante efectiva contra eventual agressão dos EUA. Quando a China quiser, ela poder oferecer cargas de dólares nos mercados de câmbio e empurrar a taxa do dólar para baixo, ou até mesmo fazer com que o dólar entre em colapso imediato. [29]

 

8. Inflação e crescimento económico

Nosso sistema monetário, dominado por bancos, juros e inflação, já existia quando nascemos. Ele faz parte da nossa envolvente natural. É por isso que é difícil ver que influência tem na nossa vida e na nossa sociedade. Tudo o que pudéssemos dizer acerca disto poderia ser facilmente julgado como normal. Não conhecemos melhor. Os efeitos do sistema estão por toda a parte, mesmo na nossa forma de pensar e nas nossas convicções.

Assim, consideramos auto-evidente que a economia só possa ser sã quando está a crescer. O conceito de "crescimento económico" foi canonizado por economistas, políticos e toda a gente que entende ou pensa que entende a sociedade. Na Europa Ocidental e na América do Norte esforçámo-nos com êxito pelo crescimento económico desde o arranque da revolução industrial. O sistema comprovou-se.

Não é um acaso que o nosso sistema monetário esteja baseado na inflação eterna e a nossa economia no crescimento eterno. Alguns banqueiros espertos conceberam o sistema desta forma no princípio do século passado. [30] Juros e inflação constituiriam um rendimento permanente para os bancos, como contra-partida do malabarismo de simplesmente extraírem dinheiro dos seus chapéus. Os empréstimos conduziriam a mais actividade económica. Governos e populações viriam e implorariam por mais empréstimos. Isto ajusta-se perfeitamente nos desenvolvimentos da área industrial. A mecanização, mineração, agricultura extensiva, recursos coloniais, aumentos de escala, competição entre países, guerras e reconstruções, o crescimento explosivo das populações, trabalhadores estrangeiros, mulheres no trabalho, o desenvolvimento do sector de serviços, o boom na tecnologia dos computadores, tudo isto leva ao crescimento económico. Crescimento económico era sinónimo de prosperidade. Hoje, na Europa Ocidental, ainda falamos em termos de crescimento económico. Devido à redução do crescimento populacional isto agora só pode ser obtido por uma pressão cada vez maior no trabalho por empregado. Os caminhos do crescimento económico e da prosperidade divergem.

A inflação funciona como a cenoura diante do focinho do burro. Todos começam a correr mais arduamente a fim de obter algum do dinheiro extra que foi colocado em circulação. E enquanto a correr, ninguém escapa ao pagamento pela utilização do dinheiro. Graças à inflação todos participam no pagamento de juros aos bancos. E se, em consequência de todos nós corrermos mais intensamente, nos tornarmos mais ricos, podemos ter quase a certeza de que os juros serão aumentados. No jargão bancário diz-se então que a economia está super-aquecida e tem de ser arrefecida. Até devermos correr mais intensamente outra vez.

Expansão à escala mundial

Privado bancos centrais ou bancos centrais públicas , todos eles são independentes .

Imagem maior

Enquanto isso os próprios bancos tornaram-se extravagantes. Com os seus truques malabares eles conquistaram o bundo. Por toda a parte os bancos tomaram o poder sobre o dinheiro e fazem a população pagar os juros e a inflação. Por toda a parte, excepto na China, os bancos centrais conseguiram leis especiais a fim de estabelecer – independentemente da vontade do governo local – o nível de juros e de inflação. Após a Europa Ocidental e a América do Norte outros países estão agora a desenvolver a sua economia. Para os bancos isto significa que novos governos e populações, as quais querem dinheiro tirado do chapéu.

De facto não faz grande diferença se os bancos centrais são privados ou bancos estatais. Praticamente todos eles obtiveram um status especial que lhes garante um alto nível de independência em relação ao governo local. Juntamente com os bancos comerciais, eles determinam quantos empréstimos são emitidos, quanto dinheiro a sociedade dispõe e quanto a população tem de pagar.

9. Crescimento ulterior ou uma sociedade sustentável?

Population growth

A política da maior parte dos bancos centrais é baseada no crescimento permanente do stock de dinheiro. Na Europa Ocidental e na América do Norte este crescimento do dinheiro acompanhou o crescimento da economia e o crescimento da população. Enquanto isso, o mundo mudou bastante. A expansão explosiva da população e a expansão de actividades económicas aumentou tremendamente a pressão sobre o ambiente. Áreas férteis foram ocupadas pelos humanos. Florestas foram transformadas em terra agrícola e cidades. Muitas espécies foram exterminadas. A maior parte do peixe dos mares e oceanos foi pilhada. Com o rápido crescimento da população mundial a poluição de solos, água e ar ainda aumenta mais. Em muitos lugares há escassez de alimentos e água potável. Os prognósticos indicam que, com as tendências actuais, a população mundial continuará a crescer rapidamente e chegará mesmo a duplicar. As linhas no gráfico foram desenhadas como se isto fosse possível...

Limites do crescimento

A Terra não cresce juntamente com a expansão das nossas economias e populações. Pela primeira vez na história humana encontramos os limites. Naturalmente, não temos qualquer ideia do que fazer. A igreja e o Estado sempre costumavam pregar crescimento. Os banqueiros também gostam do crescimento. Limites à população mundial? Ninguém no poder ousa queimar os dedos com este assunto.

Onde está este limite? Isto depende do que queremos como humanidade. Se quisermos alcançar a qualidade vida mais alta possível – para nossos filhos e netos – não deveríamos sobrecarregar a Terra mais do que o estritamente necessário. Deveríamos esforçar-nos por uma população mais pequena. Isto também afastaria a principal razão para conflitos e guerras.

A política de hoje é completamente oposta às necessidade de uma sociedade pacífica e sustentável. O sistema monetário desempenha um papel chave. São necessárias reformas. Quanto mais tempo esperarmos, mais difícil se tornará o futuro.

 

Notas e referências

[1] http://www.mw.ua/2000/2020/52764

[2] "… o valor de referência (4,5%) do crescimento do MS numa base anual. Este valor de referência para o crescimento monetário é baseado num potencial de crescimento económico de 2,0% a 2,5%, numa inflação de menos de 2,0% no médio prazo e num declínio a longo prazo da velocidade do dinheiro em 0,5% a 1,0% ao ano". http://www.dnb.nl/dnb/home/file/ar03_tcm47-146939.pdf

[3] "Em 2003, a oferta monetária (M3) na área do Euro cresceu a uma taxa de 8,0%, bem acima do valor de referência oficial de 4,5%". http://www.dnb.nl/dnb/home/file/ar03_tcm47-146939.pdf

[4] http://bigpicture.typepad.com/comments/2005/09/the_history_of_.html

[5] http://www.goldandsilverexchange.info/consumer-price-index.html

[6] www.cbs.nl/en-GB/menu

[7] www.cbs.nl/NR/rdonlyres/

[8] www.tutor2u.net/economics/

[9] http://www.britannica.com/eb/article-3512/inflation

[10] http://www.dnb.nl/dnb/home/rente_en_inflatie/algemeen/nl/46-150027.html

[11] "A estabilidade de preços é definida como aumento ano a ano do Índice Harmonizado de preços no consumidor (HICP) para a área do Euro abaixo dos 2%". http://www.ecb.int/mopo/strategy/pricestab/html/index.en.html

[12] http://www.dnb.nl/dnb/home/rente_en_inflatie/algemeen/nl/46-150027.html

[13] http://www.cbc.ca/news/background/economy

[14] http://www.bis.org/speeches/sp050218.htm

[15] http://financial-dictionary.thefreedictionary.com/facility

[16] http://news.bbc.co.uk/2/hi/business/6938425.stm

[17] http://www.house.gov/jec/fed/05-19-03.pdf

[18] A vantagem real depende de cada calendário específico de amortização do empréstimo. Vale a pena comparar.

[19] Iraqi oil in euros: http://www.un.org/Depts/oip/background/oilexports.html

[20] Advertência do FMI sobre o colapso do dólar: http://news.bbc.co.uk/1/hi/business/2097064.stm

[21] Downing Street Memo: http://www.timesonline.co.uk/tol/news/uk/article387374.ece

[22] Cheney: http://english.aljazeera.net/News/archive/archive?ArchiveId=2480

[23] How can the dollar collapse in Iran? http://www.raisethehammer.org/index.asp?id=252 (See Iraq)

[24] "Custos, malfeitorias e perigos do dólar" http://www.courtfool.info/pt_Custos_malfeitorias_e_perigos_do_dolar.htm

[25] "Raid on nuclear fuel market." http://www.courtfool.info/en_Raid_on_Nuclear_Fuel_Market.htm

[26] http://www.cadtm.org/spip.php?article2211

[27] http://www.aidc.org.za/?q=book/view/40

[28] http://news.xinhuanet.com/english/2007-05/11/content_6083732.htm

[29] www.telegraph.co.uk/money/main.jhtml?xml=/money/2007/08/07/bcnchina107a.xml

[30] G. Edward Griffin, The Creature of Jekyll Island

•  Outra leitura acerca de particularidades do Federal Reserve, o banco central dos EUA:   MeetTheSystem.org .

Setembro 2007

 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

O original encontra-se em http://www.courtfool.info/ en_Secrets_of_Money_Interest_and_Inflation.htm

É autorizada a republicação deste artigo em jornais e sítios web.

Se não quiser perder o meu próximo artigo, estale aqui:

flag PT   Gostaria de receber um email logo que apareça outro artigo em Português.
Se o link não funcionar, por favor envie um e-mail.
endereço: courtfool@xs4all.nl
assunto:
Subscribe articles PT